Por que escolher produtos orgânicos?

Que o consumo de orgânicos no Brasil e no mundo esteja aumentando e que isso seja uma tendência irreversível e irrefreável seja uma óbvia e inconteste verdade, poucos ousarão discordar. Fala-se cada vez mais de produtos orgânicos e não só por uma questão de modismo. Ao falar de orgânicos estamos falando também em Equilíbrio em seu mais amplo sentido. Esse equilíbrio que foi perdido a partir dos anos de 1960, principalmente, quando as grandes corporações precisaram dar uma finalidade às suas máquinas de matar utilizadas na Segunda Grande Guerra. Some-se o interesse econômico a um clássico problema mundial que até hoje persiste, a fome, e temos a justificativa perfeita para o desenvolvimento da indústria agroquímica, com seus fertilizantes, pesticidas e sementes “adaptadas”.

Assistimos há pouco a fusão de duas gigantes do setor em um negócio maior que o PIB de muitos países em desenvolvimento. Algo em torno de US$ 60 Bi. Na prática isso pouco deveria importar a quem produz e consome orgânicos, porém a verdade é que um mastodonte dessa estatura estrangula o processo produtivo e sufoca o desenvolvimento de sementes orgânicas, criam artifícios para que determinados produtos “mereçam” uma validação para que sejam utilizados na agricultura orgânica e cuidadosamente vão ocupando um espaço que jamais poderiam se fazer presentes.

Há alguns anos venho alertando consumidores e também produtores, seja em palestras que faço ou em conversas informais, que os gigantes estão aguardando o mercado de orgânicos ficar atraente perante seus padrões para enfim lançar suas garras sobre o mesmo. Alguns instrumentos da agricultura convencional vêm sendo paulatinamente incorporados ao mercado de orgânicos. A mais óbvia e nefasta figura, o atravessador, o intermediário, há tempos vem povoando esse ambiente. Eles são fundamentais nessa estratégia para passar a credibilidade ansiada. É como se fosse uma transição às avessas.

Por trás de cada um que adota um discurso palatável de sustentabilidade ou o quase infalível discurso que aquilo que está sendo entregue vem direto do produtor necessariamente tem que existir um Certificado de Conformidade Orgânica. Essa é a ferramenta do consumidor e deve ser divulgada para todos. É a partir da apresentação do Certificado que pode-se verificar se aquela pessoa que se apresenta é de fato um produtor ou não. É também a partir dele que se reduz drasticamente o risco de adquirir um produto cuja procedência seja desconhecida ou pior, que se esteja comprando um pote de veneno ao invés de produto orgânico.

Por isso, não se acanhe em pedir o certificado para seu fornecedor de orgânicos. Ele vai exibi-lo orgulhoso.

Boa Semana!

Alcimar Espirito Santo

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.
Open chat